Arquivo

Posts Tagged ‘planilha’

Será verdade???

16 de julho de 2014 2 comentários

Faltam 10 dias pra Maratona do Rio e tenho a sensação de que na outra vez que fiz essa prova estava muito mais bem treinado. Mas será verdade???

20140716-222601-80761367.jpg

Resolvi fazer um balanço do que treinei quando fiz essa prova em 2012 e o que treinei para a prova deste ano. Considerei os 5 meses que antecederam a prova e alguns números começaram a surgir.

Realmente esse ano o volume foi cerca de 10% menor do que em 2012. Cerca de 700km em 2012 contra algo próximo a 630km neste ano (já estou contando aí com o treino de 16km do próximo final de semana, último antes da prova). Convenhamos, não me parece ser uma diferença tão absurda…

Em 2012 foram 51 treinos contra 47 este ano dos quais 10 longos em 2012 contra 9 em 2014.

Se for parar pra pensar direitinho, a situação não está tããão ruim assim. Ou não estava tão boa em 2012… Os 3 maiores treinos de 2012 foram de 30km (2x) e 34km (1x). Neste ano fiz 30km (1x), 32km (1x) e 34km (1x), ou seja, fiz até mais esse ano, sem contar que, em 2012, eu ficava acabado depois desses treinos e hoje em dia faço eles pela manhã e, na maior parte das vezes, de tarde já estou novinho.

Reza a lenda dos “esportes de longa distância” que “o corpo tem memória”, ou seja, uma vez “esticadas” as distâncias, seja em treinos ou provas, o corpo se acostuma com aquilo e o sofrimento diminui bastante, mesmo que os treinos não tenham sido lá essas coisas… Essa é uma excelente explicação do por que de eu não estar tendo muitos problemas nos treinos longos e to muito confiante de que isso é verdade… rs

Mas se a diferença nos treinos não foi algo tão gigante assim, pq a impressão de que foi? Simples: matei muitos treinos esse ano o que me causa essa sensação. Quando comparo o programado com o realizado, a coisa é assustadora.

Então, ficou mais confuso ainda??? Calma! Vou tentar explicar: o problema foi que em 2012 também não treinei como deveria. Naquele ano tive Síndrome da Banda Iliotibial durante os treinos e isso me impediu de realizar boa parte da planilha. Cheguei até a cogitar a possibilidade de não participar da prova por causa disso mas no final deu tudo certo.

E pensar que esse ano também cogitei não participar pq treinei pouco hein?!?!?!

Sabe de nada, inocente!!!

Anúncios

Um eterno estudioso…

2 de dezembro de 2013 5 comentários

Sim, acho que isso me define um pouco: um eterno estudioso. Tudo bem que depois de faculdade, mestrado e MBA, hoje os estudos são outros, bem mais tranquilos… Mas não deixam de ser estudos…

A época do recesso esportivo tem várias utilidades. Além de promover uma recuperação no corpo e na mente, é o momento para fazer alguns ajustes nos treinos. E como eu treino “sozinho”, isso significa estudar.

Minha formação profissional nada tem a ver com Educação Física, sou Engenheiro Eletricista, logo, espero que ninguém use minhas táticas “de guerrilha” que uso nos treinos.

Na realidade acho que sou mais curioso do que estudioso, portanto, estou sempre buscando uma explicação lógica (lembrem-se que sou engenheiro) para o que acontece e para o que tem que ser feito. Somado a isso tem o fato de ninguém conhecer mais o meu corpo do que eu mesmo e isso faz muita diferença na minha “performance”. (Ok, ok, minha performance é medíocre mas…)

Já tive treinador que me conhecia muito bem. Os treinos fluíam e os resultados apareciam de maneira quase natural. Era interessante mas por “obras do destino”, não deu pra continuar treinando com ele.

Já tive treinador que parecia não me conhecer. A cada planilha eu tinha reforçada a sensação de que ele tinha me encaminhado aquilo por engano e os resultados foram piorando de maneira assustadora (ou nem tanto, já que era o mais provável a acontecer).

Depois dessa segunda experiência resolvi cair nos livros e montar eu mesmo o meu programa de treinos. Acreditem: desde então encontrei minha melhor fase nos esportes. (Sim, isso aí que eu faço é minha melhor fase…)

Planilhas genéricas raramente vão ser tão boas quanto prometem. É preciso se conhecer. Quando treinei pra maratona, teve um amigo que usou a mesma “literatura” que eu pra montar os treinos e no final, minha planilha era completamente diferente da dele. Resultado: nós dois conseguimos atingir nossos objetivos. Ele foi bem mais rápido que eu (até pq ser mais lento  que eu é complicado) mas tenho certeza que se tivesse feito minha planilha igual à dele, não teria conseguido largar para aquela prova. O volume de treinos dele era violento e eu, intencionalmente, reduzi bastante o meu pq, no fundo, eu sabia que minhas pernas não iam aguentar aquilo. Por isso é fundamental se conhecer (ou o seu treinador te conhecer muito bem). É preciso saber diferenciar o limite da preguiça, ou qualquer outro nome que se queira dar pra isso… O limite é quando o corpo não aguenta mais. A preguiça é quando a cabeça acha que o corpo não aguenta mais. São coisas completamente diferentes.

JAMAIS incentivei ou incentivarei as pessoas a treinarem sozinhas. Acho que orientação é fundamental, porém, no meu caso não deu certo!

Nessa linha, tenho uma lista aqui no blog dos livros que costumo ler sobre treinamentos e são basicamente o que uso pra montar minhas planilhas.

Falei tudo isso só pra dizer que estou acrescentando mais alguns livros à minha “biblioteca”.

The Big Book of Endurance Training and Racing

The Big Book of Endurance Training and Racing

Esse eu já comecei a dar uma olhada e já decidi que vou mudar no mínimo todo meu treinamento de base.

Sempre corri considerando minha sensação de esforço e sempre acabo fazendo meus treinos com um pace um pouco mais forte do que deveria. Baseado neste livro já decidi que toda a base será feita com o olho no monitor cardíaco e um batimento tão baixo que acho até que vai ficar complicado pra fazer ultrapassagens nos idosos que costumam caminhar de andador pela orla do RJ.

 The Complete Guide to Triathlon Swimming

The Complete Guide to Triathlon Swimming

Esse eu ainda não peguei mas faz parte de um super plano de conquistar o mundo, ops, de melhorar um pouco minha natação.

Complementar ao livro, tomei coragem e decidi que vou passar a levar a GoPro pra natação pra tentar corrigir possíveis “grosserias” que estejam sendo feitas na água. Estou com um problema no ombro e já ouvi dizer que pode ser em função de uma possível cruzada do braço esquerdo pela linha central do corpo. Só dá pra ver o que está acontecendo filmando…

E aí, será que vai dar resultado???

Eu acho que vai. É ver pra crer…

Semana 13 de 20

15 de abril de 2013 4 comentários

A falta de tempo ainda está comprometendo os treinos e a semana 13 tb foi atravessada…

Novamente utilizando a tática de falar somente do que foi bom, vamos em frente…

O ponto positivo desta semana foi a Meia Maratona Asics Golden Four – RJ que já falei antes.

À exceção da natação, que tenho que tomar vergonha na cara e começar a levar mais a sério logo, os volumes dos treinos aumentaram um pouco e isso foi legal. O bom foi que consegui aumentar os volumes sem deixar a semana “pesada” demais, tanto é que consegui meu melhor tempo de meia maratona no domingo.

Já cheguei à conclusão que deveria ter comprado a planilha para iniciantes, mas com a descrição do site sobre a iniciante e a intermediária, comprar a iniciante seria sacanagem. Os pré-requisitos eram:

Iniciantes: conseguir nadar 500m, pedalar 90min e trotar 30min;

Intermediários: conseguir nadar 1.000m, pedalar 120min e trotar 40min.

PelamordeDeus, esses pré-requisitos são muito “banais” pra quem pretende treinar para fazer um Ironman, por isso comprei a Intermediária. Lição aprendida, não tenho tempo e nem capacidade pra fazer esses treinos, logo, estou reduzindo os volumes propositalmente pra, pelo menos, evitar um overtrainning e até mesmo lesões em virtude do excesso cometido. Minha meta hoje em dia é realizar um volume entre 70 e 80% da planilha inicial. Sei que muito mais coisas devem mudar na planilha iniciante e não apenas os volumes mas é o que eu posso fazer nessa altura dos treinos…

Após o término da Golden Four tive o prazer de conversar com pessoas mais experientes no triathlon e, após falar sobre meu treino de sábado/domingo, ouvi várias vezes a frase “Poxa, então vc está muito bem!”. Caramba, se esses caras que me falaram isso soubessem a importância do que me disseram acho que eles até cobrariam pela frase. Isso foi uma injeção de motivação e confiança espetacular. Agora já estou até achando que meus dias de descanso que acabo me impondo pela falta de tempo/paciência estão sendo benéficos.

Segue o resumo da semana (previsto / realizado):

Swim: 11.800m / 2.000m

Bike: 490min / 360min

Run: 275min / 190min

 

Estou confiante de que vou cruzar aquela linha de chegada com a dose certa de prazer e sofrimento!

Semana 3 de 20

27 de janeiro de 2013 3 comentários

Não dá pra dizer que foi uma semana boa mas foi uma semana equilibrada entre as três modalidades… E isso é bom…

Acho que o equilíbrio entre as três modalidades faz com que o desempenho global seja melhor. Digo isto porque nadar muito mal faz com que você saia pra pedalar mais cansado do que todo mundo (sem contar o fato de começar a pedalar depois de todo mundo). Pedalar mal faz com que você não consiga, de maneira nenhuma terminar bem uma prova (normalmente o pedal é a maior parte da prova), além do que, forçar muito o pedal (além da sua “capacidade”) faz com que as pernas reclamem demais pra correr. Por fim, correr mal dá uma sensação de derrota indescritível… Você lá se arrastando e as pessoas te passando e te dando um incentivo do tipo “vamos lá, tá acabando!!!” puts, isso é terrível…

Voltando o assunto pra terceira semana, ela tinha começado bem, mas a verdade é que além de nadar, pedalar e correr, preciso trabalhar, ter vida social, sair com os amigos, etc. Isso dificulta as coisas…

trabalho_36

Foi uma semana especialmente estressante no trabalho e o cansaço mental é muito prejudicial aos treinos. Toda vez que alguma coisa está me preocupando o rendimento nos treinos cai absurdamente. Isso é muito nítido!

Além disso, os treinos também tem sido muito duros e, às vezes, o corpo pede pra parar. É preciso levar à sério esses pedidos e respeitá-los acima de tudo. Uma coisa é uma preguiça que bate na hora de acordar cedo ou sair tarde pra treinar, outra coisa é o corpo não aguentar mais mesmo. Foi isso que aconteceu por duas vezes essa semana.

Durante um dia de pedal no rolo, simplesmente chegou um momento em que não dava mais pra continuar… Parei antes do final!

Em outro dia, não escutei o despertador tocar. Não escutei mesmo, e olha que ele é escandaloso e costumo colocar 2 diferentes em sequência: o celular e o despertador. Não escutei e perdi o treino longo de natação da semana…

CHUVA

Ok, o corpo estava cansado e eu precisava mesmo disso mas aí, no dia seguinte era o pedal longo na estrada e o temporal que caía no Rio de Janeiro, não me permitiu sair de casa. Tentei o rolo mas o tempo tem que ser consideravelmente reduzido quando o pedal é feito no rolo. É muito mais “complicado” o treino no rolo.

mudanca

Pra corrida não ficar com ciúmes, estou me mudando de casa e a mudança me fez perder um dos treinos. Ainda tentei recuperar uma pouco esticando “de leve” os outros dois mas resolvi não esticar muito, afinal, programação é programação e ficar alterando o programado só serve pra gerar lesões e frustrações…

O resumão previsto / realizado tá aí:

Swim: 8.100 m / 4.700 m

Bike: 260 min / 180 min

Run: 120 min / 100 min

Que venha a quarta semana e que traga com ela o aumento do volume para que, um dia, eu consiga fazer a planilha completa…

Ressaca e Golden Four

Correr uma Maratona causa ressaca… rsrsrs

Já tinha ouvido falar nisso mas comigo nunca tinha acontecido. Depois de uma prova dessas, que é uma das minhas metas do ano junto com a travessia dos fortes, que já passou, e o Ironman 70.3 de Miami, que vai rolar em outubro, além do corpo sentir realmente um certo cansaço, fica difícil encontrar motivação pra se dedicar aos treinos como antes. O ideal é ter mesmo um tempo pra descansar e depois, com calma, estabelecer novos objetivos e novas metas.

No meu caso, em virtude do calendário apertado, acabou ocorrendo um atropelamento dos períodos de treino e vou ter que me adaptar a isso, de preferência sem muito estresse.

Depois da Maratona, que foi dia 08/07/2012, tive hoje, 29/07/2012, a Meia Maratona Asics Golden Four pra correr. Nesse intervalo de tempo fiz apenas 3 treinos de corrida. A paciência pra sair pra correr parece que se esvaiu pelo ralo mas tenho tentado retomar o pedal e a natação, ou seja, não fiquei totalmente parado nesse período.

O problema todo do calendário é que em 28/10/2012 tem o Ironman 70.3 de Miami e a planilha era pra ter começado 1 mês antes da Maratona, ou seja, comecei com muito atraso (mais de 1 mês), porém, na corrida, estava com um volume muito maior do que deveria, o que de certa forma compensa os problemas de nadar pouco e pedalar menos ainda.

A grande dificuldade agora é que os treinos de pedal já estão com um volume muito alto e está complicado acompanhar. Vou fazer umas adaptações na planilha pra tentar não me atropelar e, o mais importante, evitar lesões.

A parte boa é que depois de Miami, vou ter praticamente 1 mês de descanso antes de iniciar forte os treinamentos para o Ironman Brasil 2013, essa sim é a grande meta desse período de 2 anos de programação.

Asics Golden Four

Essa prova é realmente diferenciada. A impressão que passa é de que todos que se inscrevem pra essa corrida estão ali pra ganhar a prova. É um clima de competição muito maior do que nas outras meias que já corri, e olha que não foram poucas…

Acho que o esquema de distribuir medalhas diferentes pros top 100 é que incentiva esse clima. Todo mundo quer pegar a medalha de top 100 e a camiseta preta (que esses 100 indivíduos também levam).

Obviamente que não tenho a pretensão de conseguir esse feito, porém, confesso que o espírito de superação também toma conta da minha mente e sempre venho em busca de melhorar meus tempos.

Até ontem, meu recorde de meia maratona era de 2h06min. Tempo bem alto pro que eu tenho treinado, porém, esse tempo tem praticamente 1 ano que aconteceu e de lá pra cá, tenho corrido distâncias que ultrapassavam a distância da meia maratona e, no fundo, eu sabia que esse tempo ia ser pulverizado hoje.

Na Corrida da Ponte, que aconteceu em abril, passei pela distância da meia maratona com 2h02min, que já seria um novo recorde.

Na Maratona do Rio, dia 08 desse mês, passei pela distância da meia com 1h59min, e isso era só a metade da prova, que acabei concluindo em 4h06min.

Hoje, num dia que considerei quase perfeito (dormi pouco menos de 3 horas essa noite) realmente consegui pulverizar meu recorde pessoal e estabeleci 1h49min, ou seja, 17 minutos mais rápido que meu tempo oficial de meia maratona. É ou não uma bela evolução?

Percurso da Asics Golden Four

O que realmente acho que poderia ser feito pra melhorar essa prova era distribuir o Gatorade em saquinhos, como foi feito na Maratona. É impossível, na minha humilde opinião, beber aquilo num copo aberto enquanto corre sem se lambuzar inteiro.

Fora isso a prova foi, mais uma vez, muito boa. Parabéns aos organizadores Asics e Iguana.

%d blogueiros gostam disto: