Arquivo

Posts Tagged ‘IMBR’

Ironman 70.3 Rio de Janeiro 2015 – A prova

21 de outubro de 2015 3 comentários

Depois de muito, mas muito tempo mesmo, fui convencido a escrever aqui as impressões da minha prova.

Primeiro só quero deixar claro que não tenho escrito mais nada por aqui única e exclusivamente por falta de tempo. Infelizmente ainda preciso dormir durante as madrugadas e esse é o único tempo que não está ocupado… rs

Vamos à prova:

Como carioca e morador do Rio de Janeiro, embora a razão me mandasse não participar da prova, a emoção não me deixou ficar ausente dessa festa.

A prova era no RJ, sem precisar faltar o trabalho (ou tirar férias), sem custos de viagem, hospedagem, aluguel de carros e afins, a possibilidade de os familiares e amigos que não costumam viajar pra esse tipo de evento poderem assistir e além disso tudo a possibilidade de esta prova ser única, já que aqui no Rio os eventos esportivos são cancelados da noite para o dia… Uma pena para a Cidade Olímpica e Maravilhosa…

Expo, congresso e bike check in:

O primeiro engano da minha parte foi com a logística. O Recreio dos Bandeirantes é longe pra caramba e com o trânsito que temos hoje em dia, o tempo para chegar até lá pode variar muito… Com essa incerteza, não arrisquei tentar pegar o kit depois da saída do trabalho, optei por resolver tudo no sábado. Ia unir o útil ao agradável: saia de casa cedo, assistia o congresso técnico, buscava o kit, almoçava, arrumava as sacolas, deixava a bike no check in e voltava pra casa… Deu errado. O tempo pra chegar ao recreio no sábado de manhã foi absurdo e perdi a hora do congresso… hahaha. Mas ok, o restante funcionou…

Kit na mão, fotos, social com os amigos… Rolou até uma passada de carro pelo trecho do percurso do ciclismo que tinha uma subida… Deu pra perceber que está longe de ser a pior subida do mundo mas que, dadas as condições de alguns trechos do asfalto, seria uma descida perigosa pra quem quisesse “recuperar” o tempo da subida e não tivesse muita habilidade…

Almoço, bike check in e casa. Essa foi a véspera da prova…

Pré race:

Apesar de ter deixado tudo organizado na véspera, cheguei cedo à transição pra acertar os últimos detalhes e sobrar tempo pra dar uma nadadinha de aquecimento…

A transição antes da prova é uma coisa muito estranha: gente séria, gente sorridente, gente desesperada pq encontrou algum problema de última hora… Pra mim é uma grande confraternização pré prova…

Tudo certo na bike e nas sacolas de transição, parti pra praia.

Entrei na água pra fazer um aquecimento e quando saí, uns 10min depois, percebi que o Garmin tinha apagado… Tentei de tudo ali antes da largada pra ressuscitar o dito cujo mas nada adiantou… A prova ia ter que ser num “voo cego”…

Na realidade sempre tive vontade de fazer uma prova só “no sentimento”, sem olhar pra relógio, GPS e coisas do tipo… Mas não precisava ser num 70.3, muito menos de surpresa… Vida que segue…

Natação:

Segui as orientações e, acho que pela primeira vez na vida, aqueci antes da prova… Não sei se isso ajudou mas o fato é que, apesar de o tempo da natação ainda ser ridículo, fiz minha melhor natação das 4 provas de 70.3 que já fiz e com uma diferença grandinha de tempo…

A largada foi realizada em ondas. Primeiro largou a elite masculina, depois elite feminina, em seguida veio o primeiro grupo de amadores, de touca amarela, depois meu grupo, de touca verde, depois outro, de touca azul e, por último, as mulheres amadoras, de touca rosa…

Mantive minha estratégia conservadora ao extremo de largar lá atrás pra evitar a “pancadaria” até a primeira boia… Larguei lá atrás mas acho que larguei forte. No contorno da primeira boia já estava ultrapassando os mais lentos da onda anterior, de touca amarela. Me achei o Aquaman e tentei continuar no mesmo ritmo. Quando contornei a segunda boia percebi que comecei a ser ultrapassado pelos primeiros colocados da onda posterior, de touca azul… É, eu não era o Aquaman! Depois de contornar a última boia, já nadando em direção à saída, as primeiras meninas, de touca rosa, começaram a me ultrapassar… Definitivamente, ainda não aprendi a nadar…

Quando saí da água, sem nenhuma noção de tempo já que o Garmin tinha falecido, só consegui ter uma noção de tempo quando passei no pórtico e calculei um pouco mais de 40min na natação… Isso pra mim foi muito legal.

Mais legal que isso foi conseguir sair “inteiro” da natação.

FEC15IRONRJ10613

O tempo final da natação foi de 41min03s. Acreditem, isso  pra mim foi bom!

T1:

Dentro das metas que eu mesmo tinha me imposto, minha T1 foi muito legal.

Como acabei saindo “inteiro” da natação, consegui correr durante todo o percurso da T1 o que me fez ganhar mais alguns minutos já que normalmente me arrasto nesse trecho.

Meu tempo aqui foi de 5min18s

Ciclismo:

Entrei numa de falar só do que acho bom mas vou abrir uma pequena exceção pra não deixar essa parte em branco… rs

Como sou sabidamente lento, posso me dar ao luxo de arriscar qualquer novidade em qualquer prova sem maiores problemas. Quem está disputando vaga pro mundial, pódio na categoria ou coisas do tipo, não pode arriscar. Tem que fazer o que está acostumado.

Pois bem, arrisquei usar nessa prova um par de pneus novos que, não vou entrar em detalhes, mas não furam. É risco zero de ter que parar pra trocar pneu. Não precisa levar câmara, CO2, espátula nem nada. É só ir ser feliz!

Pois é. Seria! Nunca tinha sequer andado 10km com esse pneu e durante a prova, como estava sem o Garmin, a única coisa que eu sabia era que estava fazendo toda minha força no pedal… Enfim, fiz o pior pedal da minha vida! Disparado o pior!

Conversando com alguns amigos depois da prova, todos foram unânimes em falar que foi culpa dos pneus. Esses amigos também tem esse tipo de pneu, porém, foram mais conservadores (na realidade mais sensatos) e não utilizaram na prova sem testar. Depois dos testes que só puderam acontecer depois da prova, todos consideraram que é preciso muito mais força pra manter a mesma pedalada.

Lição aprendida e vida que segue! Os pneus que não furam vão pros treinos de montanha… rs

MDP15703RJ14230

Aqui demorei eternas 3h24min28s. Inacreditável!!!

T2:

Quando vi o tempo do pedal, entreguei a bike tão furioso que consegui fazer a T2 num tempo bem mais rápido do que tinha planejado.

Entrei, peguei a sacola, calcei o tênis e saí…

Opa, como estava chovendo, ainda me dei ao luxo de trocar de meias… rs

Tempo: 2min31s

Corrida:

Saí pra correr bastante desanimado mas eu estava lá pra isso. Encaixei o ritmo e fui. Sem saber o pace, sem saber o tempo, a única coisa que eu sabia era a distância quando passava pelas placas… hahaha

O percurso todo da prova foi muito bonito, mas a corrida foi sensacional. A passagem pela Prainha é simplesmente fantástica e vale a visita. Mas, como não existe almoço grátis, pra ver a vista tinha que subir o morro até lá. Como a da bike, nem é uma subida tão sinistra assim mas dá uma boa quebrada de ritmo.

A primeira cheguei a encarar correndo. Nas seguintes as pernas fraquejaram um pouco e precisei de alguns momentos de caminhada pra me recompor… rs

Apesar de o tempo não ter sido bom, achei que fiz o melhor que deu praquele momento.

MDP15703RJ09645

O tempo foi de longas 2h06min59s

No total deu 6h20min21s.

Conclusões:

Fiquei feliz? Sim!

Poderia ter sido melhor? Muito! Mas é assim mesmo. A gente vai dando cabeçada até aprender.

Ano que vem, se tudo for como planejado, estarei lá novamente.

E pra quem reclama que a prova tem muitas subidas. Tem que treinar mais em subida. As subidas estavam lá pra todo mundo e todo mundo sabia. Eu achei a prova divertidíssima!!! Me ferrei pelos meus erros!

O legal é que vejo espaço pra melhorar bastante em todas as modalidades:

  • Natação: ainda é péssima mas está no caminho;
  • T1: a melhora na natação faz a T1 melhorar automaticamente;
  • Ciclismo: esse não pode ser usado como referência mas mesmo assim dá pra melhorar bastante;
  • T2: gostei muito. Ainda é possível melhorar mas só vou me preocupar com isso quando estiver disputando vaga pro mundial, ou seja, nunca!;
  • Corrida: sempre tem espaço pra melhorar aqui mas esta tb não é referência. O vacilo do ciclismo ferrou com tudo.

Até a próxima!!!

Anúncios

Ironman Brasil 2015 – Semana 03 de 20

2 de fevereiro de 2015 4 comentários

Essa foi uma semana de poucos contratempos…

Não cumpri a planilha inteira mas acho que aconteceu uma evolução considerável. E o melhor, ainda teve um tempinho pra sair com os amigos sem comprometer os treinos… Se pudesse ser sempre assim eu faria o Iron todos os anos… hahaha. Pena que não é!

Vamos lá:

Natação – O volume durante a semana está quase chegando no previsto. Dos 3 treinos que ocorrem durante a semana, 1 deles eu fiz completinho, sem tirar nem por e nos outros dois fiz só 75% do volume.

Os braços ainda estão em fase de adaptação e tenho saído desses treinos bem cansado.

Acho que essa semana já vai dar pra fazer os 3 completos. Se não der, quero tentar pelo menos 2 completos e 1 de 75%.

O de domingo é que realmente não rola. Esse está sempre na previsão e provavelmente não aparecerá tão cedo no realizado, logo, atingir 100% da semana na natação é uma tarefa quase impossível. Só não digo que é impossível pq no Ironman, “Anything is Possible!”. ;P

Bike – Os treinos do rolo foram executados dentro do previsto. Tiros, giro alto, carga máxima etc. Tudo o que a planilha pedia pra fazer nos treinos da semana eu fiz! Como meus treinos durante os dias úteis são no rolo, eu programo eles no Garmin e na hora fico só obedecendo as ordens. A tecnologia é mesmo fantástica… O único porém é que eu achava que pedalava um pouco mais do que pedalo e, às vezes, não consigo imprimir o ritmo que o Garmin “pede”, mas ok, isso foi loucura da minha mente e quem sabe lá pela semana 15 eu não esteja conseguindo???

No sábado, infelizmente não deu pra ir pra estrada. Caiu uma tempestade sinistra de madrugada e quase todo mundo que eu conheço desistiu de ir… Mais uma vez a tecnologia ajudando. Eu participo de uns 3 grupos de Whatsapp com triatletas e embora eu treine mais sozinho, isso facilita bastante a vida. Quando o despertador tocou eu já sabia as condições meteorológicas em todos os cantos do Rio de Janeiro, quem já tinha voltado a dormir, quem ainda estava pensando em ir. Sensacional! No final, quase todos desistiram. Só sei de um que foi e me parece que se deu bem. A chuva tinha parado e o sol apareceu… Paciência, vida que segue…

Pra subistituir, peguei a speed e fui pras montanhas. Fiz um bate volta até o Cristo e acabei devendo só 30min de treino…

Pedal de sábado

Tá bom demais!

Corrida – A planilha ainda está bem “light” na corrida e como eu estou tentando realmente “descansar” um pouquinho as pernas de ficar correndo, isso está legal.

O que não está sendo legal é que com esses treininhos “meia boca” não tenho ânimo pra sair de casa…

Já pensando nisso, tinha colocado as rodagens (longos) do final de semana um pouco mais longos do que de hábito nesse início de modo a manter um volume semanal não tão ridículo. Ou seja, eu reduzi os treinos mais fortes durante a semana e aumentei os mais lentos. O volume era praticamente o mesmo porém com intensidade menor.

Bom, na minha cabeça isso tinha tudo pra dar certo e acho que a partir da próxima semana já deve fluir melhor. Essa ainda bateu uma preguiça difícil de explicar durante a semana… rs

No domingo eu pude lembrar o que me faz correr: Eu gosto de correr! Precisava “girar” confortavelmente por 60min e a sensação quando termino é indescritível. Queria fazer outros 60min…

Corrida de domingo

Vamos ver se eu consigo “encaixar” os treinos da semana…

Bom, a tabela da vez é essa aí:

Semana 03– 26/01 a 01/02

Previsto 2015 x Realizado 2015

Swim – 10.500m / 7.100m

Bike – 320min / 290min

Run – 174min / 105min

Realizado 2013 x Realizado 2015

Swim – 4.700 / 7.100m

Bike – 180min / 290min

Run – 100min / 105min

Tá começando a melhorar… Acho até que dessa vez vou aprender a nadar… rs

Nadei muito mais, pedalei muito mais e corri praticamente a mesma coisa que em 2013… Se continuar assim vai ser bonito!!!

Vamos embora que a semana 4 já tá rolando…

Ironman Brasil 2015 – Semana 02 de 20

26 de janeiro de 2015 6 comentários

Tomei algumas decisões na semana 2 para não passar do limite e depois ser obrigado a parar os treinos pra me recuperar.

Atividades

Vamos por modalidade:

Natação – Minha planilha prevê 4 treinos de natação por semana, sendo um deles no domingo. Esse de domingo é muito difícil de ser realizado. A piscina onde eu nado não funciona neste dia e não gosto muito de nadar no mar desacompanhado. Sei lá, vai que algo dá errado??? Até hoje não deu, mas…

Bom então, a natação de domingo praticamente não vai existir.

Na terça feira, 20/01, foi feriado aqui no município do Rio, São Sebastião, padroeiro da Cidade Maravilhosa, e a piscina também não abriu, com isso, só fiz 2 treinos de natação mas, com tanto tempo sem nadar, achei até bom… Terminei ambos bastante ofegante e com os braços bem cansados. Sinal de que os treinos serviram pra alguma coisa… Vamos nessa tocada até o final…

Ciclismo – Realmente é uma modalidade que estou muito fora de forma…

São programados, na maioria das vezes, 3 treinos por semana, 2 durante a semana, no rolo, e um no sábado, na estrada.

Os treinos no rolo durante a semana são quase sempre uma pancadaria só. Tiros e mais tiros num ritmo alucinado com curtos intervalos de recuperação. São treinos feitos pra ganhar força e velocidade.

Os da estrada são treinos longos, num ritmo menos intenso, pra se ganhar volume. Ali a gente testa a alimentação e hidratação da prova, descobre onde o selim machuca, se o pescoço dói nessa posição etc.

Nessa semana acabei fazendo os 3 treinos mas não exatamente como deveriam ter sido feitos.

Os do rolo, comecei num ritmo mais forte do que deveria e, obviamente, não consegui completar todos os tiros propostos. Mas ok, fiquei bem satisfeito por 3 motivos: fui até onde deu, fiz muita força e agora tenho uma noção maior da minha condição sobre a bike…

Na estrada, era pra ter feito 90km mas com 30 já decretei que só faria 60km. A bike que uso no rolo não é a mesma que uso na estrada. Nem sei exatamente o motivo mas tenho tanto ciúmes da minha bike que não gosto de ficar judiando dela no rolo, logo, só uso na estrada e em provas… Cada doido com a sua mania… rs

Fato é que desde agosto de 2014, no Ironman 70.3 de Foz do Iguaçu, não usava essa bike. Com 30 km o selim já incomodava demais e os antebraços já estavam completamente destruídos de ficarem apoiados nos pads… Essas áreas vão ter que “calejar” logo pros incômodos acabarem. Conclusão, fiz só 60km e já fiquei satisfeito…

A parte boa disso tudo é que o pescoço, que tanto me incomodava nos treinos pra Foz, só reclamou um pouquinho no dia seguinte. Na hora do pedal mesmo, não percebi nada… Vai ver foi porque o antebraço doía tanto que nem percebi o pescoço doendo… rsrsrs

Esse treino pode ser visto aqui no Strava.

Corrida – Como o volume de corrida estava bem alto por causa do Dunga e depois disso acabei ficando com uma bolha bastante incômoda no pé esquerdo, resolvi abortar totalmente os treinos de corrida da semana.

Eram treinos bem pequenos e principalmente de rodagem que, considerando que acabei de correr 78km em 4 dias, não vão fazer muita falta.

Vamos ver o que melhora na bolha e no meu cansaço depois dessa primeira semana “real” de treinos pra voltar a encaixar a corrida sem muito sofrimento…

Semana 02– 19/01 a 25/01

Previsto 2015 x Realizado 2015

Swim – 7.700m / 3.200m

Bike – 315min / 227min

Run – 85min / 0min

Realizado 2013 x Realizado 2015

Swim – 1.800m / 3.200m

Bike – 325min / 227min

Run – 96min / 0min

Haha, parece que em 2013 eu estava um pouco mais disciplinado nesse comecinho…

Vamos com tudo que a semana 3 tá batendo na porta…

2014 ficou pra trás…

3 de janeiro de 2015 Deixe um comentário

O ano de 2014 se foi…

Foi um ano de provas interessantes e treinos nem tanto…

Tempo

Ano de pouco tempo pra treinar e menos ainda pra escrever aqui…

Mas, no fundo, foi um ano legal…

Fiz provas bacanas, tive resultados compatíveis com o que treinei, fiz amizades novas (reais e virtuais), aproveitei o que tinha pra aproveitar, sofri com o que tinha que sofrer e me diverti demais com o que tinha que me divertir…

Mas e de ruim, o que teve??? Sei lá, prefiro lembrar do que foi bom… E sinceramente, não me lembro de nada tãão ruim assim que seja digno de recordação…

Vamos com tudo pra 2015 pq esse sim, vai ser sensacional, vem aí o Desafio do Dunga, o 70.3 de Brasília e novamente o Ironman Brasil – Florianópolis!!! Quem sabe não rola uma sorte e eu consigo ser sorteado pra Maratona de Nova Iorque??? Sei lá né???

Medida

Os números de 2014 foram:

Natação – 115km

Bike – 2.155km

Corrida – 1.510km

São números muito baixos pra quem fez um 70.3 (Foz do Iguaçu), uma Maratona (Rio) e agora, no comecinho de janeiro vai correr o Desafio do Dunga.

Provavelmente, se tudo correr bem, na metade de 2015 esses números já terão sido superados… rs

É torcer pra que tudo dê certo e cair dentro.

Tomara que o 2015 de vocês seja igual ao meu: sensacional!!!

Fui!

Ironman 70.3 Foz do Iguaçu – A prova

1 de setembro de 2014 7 comentários

Chegou o grande dia!

Largada marcada para 9h30min, transição aberta de 7h às 9h, bike deixada na transição na véspera… Tudo caminhava bem naquele ensolarado sábado!

Como a largada era num ponto e a chegada em outro, a organização disponibilizou ônibus pra transportar o pessoal da chegada (onde tínhamos que estacionar o carro) pra largada (de onde viríamos com nosso esforço). O último ônibus sairia às 8h e o trajeto levava cerca de 30min de um ponto a outro. Cheguei no local da saída do ônibus às 7h30min e não demorei mais do que 10min pra já estar saindo em direção à largada.

Na área de transição fui cuidar dos últimos detalhes:

  • ver se estava tudo ok com a bike;
  • colocar água no aerodrink;
  • colocar o garmin na bike;
  • ver se estava tudo mesmo dentro da sacola da T1;
  • passar protetor solar (muuuito protetor solar);
  • pegar óculos e roupa de borracha e, finalmente, ir pra largada.

Como ainda faltava um bom tempo pra largada, consegui aproveitar bastante o clima. Fiz social, cumprimentei a galera da elite. Sensacional apertar a mão de Santiago Ascenço e desejar boa prova pra Ariane Monticeli na área de transição! Gosto e admiro vários triatletas brasileiros mas sou fã de carteirinha desses dois aí!

 

Natação:

Tudo resolvido e às 9h20min foi dada a largada da elite. Isso foi um ajuste da organização pra reduzir o vácuo na prova e parece que ajudou. Foi bom também pra perceber que tinha uma leve correnteza puxando pra esquerda e eu, como excelente nadador que sou (#sqn) já mudei minha estratégia de prova e parti pra extrema direita da área de largada na tentativa de ser o menos atrapalhado possível pela “correnteza”.

Dada a largada e fui, com toda a minha calma, iniciar a natação que é de longe a minha pior modalidade!

Os 100 primeiros metros são sempre complicados mas depois disso consegui encaixar a respiração e, sem entrar numa de forçar o ritmo, fui tranquilamente até a 1ª boia. Virei à esquerda, mirei na segunda e tentei da uma acelerada. Cheguei lá rápido, porém esbaforido. Contornei a 2ª boia e só precisava voltar pra largada. Aqui cabe uma observação: será que custa muito colocar alguma coisa chamativa na saída da água??? Em todas as provas da Latin Sports fico lá no meio da água procurando a saída e acabo nadando mais do que devo. Dessa vez não foi diferente. Nadei em zig zag e demorei a sair da água. Na realidade demorei muito. Mas também, nadando 2.300m ao invés de 1.900m, queria o que???

Mas ok, nem tudo estava perdido. Saí da água na 623ª colocação geral. Reza a lenda que tinham 1.000 inscritos mas duvido que tinha tudo isso lá.

Ironman 70.3 Foz - Natação

 

T1

Entrei na T1 e fui direto fazer xixi. Acho que bebi muita água durante a natação!!!

Capacete, óculos e mais protetor solar e parti pra bike. Só na corridinha até a área de monte já fiz umas ultrapassagens… rs

 

Ciclismo

Saí pra pedalar empolgado, porém consciente de que minha preparação não tinha sido a melhor do mundo. Fato é que eu sabia exatamente do que eu era capaz. Ou achava que sabia…

O percurso saía do local de largada (e T1) e seguia em direção à usina de Itaipu, onde chegávamos com pouco mais de 20km. A partir daí, daríamos 3 voltas num circuito de vinte e poucos kms até fechar os 90 da prova.

Logo no começo já deu pra perceber que era um percurso travado, com muitas retomadas. Não acho que isso seja ruim, apenas reduz um pouco a velocidade de todo mundo. Mais pra frente percebi que além das retomadas teríamos muitas subidas e descidas. Foi um sobe e desce alucinante com freadas e retomadas mais alucinantes ainda. Não dá pra reclamar que o ciclismo foi monótono! Era atenção 100% do tempo e fazendo força quase todo o tempo também.

O problema (ou não) foi que eu olhava para o velocímetro e não aceitava uma média tão baixa. Saí de casa pra fazer média de 32km/h (ok, não é uma excelente média mas era o que eu estava treinado pra fazer por 90km) e sempre que olhava pro garmin via 28km/h. Isso fazia com que eu não desse um segundo de refresco nos pedais.

Pedalei nas subidas, nas descidas e até nas curvas. Só parava de pedalar quando estava com o freio apertado… rs. Pedalei tanto que pela primeira vez na vida tive cãibras pedalando. E isso só me fez pedalar mais. Qualquer momento sem movimentar as pernas era suficiente pra que travasse tudo…

Terminei o pedal com média de 28,2km/h e fiquei bem chateado com isso… Olhando agora consigo perceber que foi realmente o meu melhor, mas na hora é duro aceitar que esse é o seu melhor…

Entreguei a bike na 504ª colocação geral…

Ironman 70.3 Foz - Ciclismo

 

T2

Entrei na T2 saltando da bike. Realmente não podia parar as pernas. Era parar e começava a travar tudo…

Entrei rápido na tenda pra fazer a troca e a essa altura o sol castigava demais. Eu não tinha protetor mas por uma incrível coincidência, um amigo entrou junto comigo na T2 e ele tinha. Protetor solar com FPS 110. Excelente. Passei aquilo e saí pra correr.

Esse foi o único momento da prova que alguém gritou meu nome. Um amigo que mora em Foz esteve lá durante a T2 e conseguiu me encontrar! Espetacular ouvir alguém te dar um incentivo!!!

 

Corrida

Saí pra correr com a expectativa de fechar a corrida com pace abaixo de 6min/km mas foi impossível. A corrida, assim como o ciclismo era repleta de subidas alucinantes onde o único alucinado que trotava era eu! Lembra que eu não podia parar???

Subia, descia, bebia, comia mas não parava. Trotava da maneira que dava e assim fui até o km 15 mais ou menos. Nessa altura já estava caminhando nos postos de hidratação para conseguir retormar…

Como a corrida foi em uma única perna de 21km e dentro da área da usina, os acompanhantes não sabiam de nada do que se passava e os atletas estava sofrendo de carência. Todo mundo que passava, ou era passado, por min queria puxar assunto. Se você foi um dos que passou por mim, puxou papo e teve uma resposta seca, desculpe-me, eu não sou assim, porém, naquele momento, falar estava difícil e o raciocínio mais difícil ainda!

O ritmo foi caindo até o final mas, para o bem de todos e felicidade geral dos que me conhecem e querem o meu bem, sobrevivi. Foi um alívio!

Cruzei a linha de chegada na 470ª colocação geral, o que, em teoria, seria antes da metade, mas como já disse, duvido que todos os 1000 tenham alinhado na largada.

Ironman 70.3 Foz - Corrida

Foi sem dúvida a prova mais dura que participei. Arrisco a dizer que superou o Iron de Floripa… Mas reza a lenda que quanto pior, melhor!!!

4142cc369a2863bfbb3e68e449060bc4

Os comentários gerais sobre a organização e etc, deixo pra outro dia…

Quando é mesmo a próxima???

%d blogueiros gostam disto: