Arquivo

Archive for the ‘Curiosidades’ Category

O Dunga vem aí…

20 de setembro de 2014 9 comentários

Nãããão… Não estou falando do Dunga novo técnico da nossa Seleção de futebol…

Tô falando do verdadeiro Dunga, aquele dos Sete Anões… A próxima prova “interessante”, digamos assim, é o Desafio do Dunga (Dopey Challenge) e vai rolar em Janeiro de 2015 na Disney.

Pra quem não conhece, 2015 é o segundo ano que esta prova vai acontecer e ela nada mais é do que uma pequena adaptação do outro desafio da Disney, o do Pateta (Goofy Challenge)!!!

O Pateta consiste em correr uma meia maratona no sábado e uma maratona no domingo. Nesse ano teve pela primeira vez o Dunga, que nada mais é do que correr 5km na quinta, 10km na sexta, meia maratona no sábado e a maratona no domingo! Serão pouco mais de 78km em 4 dias!!! Garantia de diversão!

dopey-challenge-graphic

Todas as corridas ocorrem dentro dos parques da Disney e, durante o percurso, é possível encontrar vários personagens… Reza a lenda que em alguns momentos chega a ter fila de corredores para tirar foto com os personagens durante a prova… Não sei se vou entrar nessas filas, mas…

Fato é que, depois de um pequeno período de descanso, posso falar que os treinos pra esta prova já estão rolando. Será inevitável dar uma reduzida no pedal. Pelo menos o de sábado, que normalmente rolava na estrada, fica totalmente comprometido! Não vou parar com o pedal durante a semana pq acho que consegui uma evolução bem interessante e não queria perdê-la. Ano que vem tem o Iron novamente e juro que, dessa vez, vou tentar cumprir os treinos direitinho pra poder terminar num tempo razoavelmente melhor do que o anterior, afinal, já conheço as condições de Floripa e acho que isso deve ajudar um pouco, somado ao fato de já ter uma “bagagem” maior, deve ajudar mais ainda. Mas se parar com o pedal agora pra só voltar em janeiro, vai tudo por água abaixo!!! Reduzir a natação significa parar com ela e isso está fora de cogitação!

Em princípio, a rotina vai continuar a mesma de sempre só substituindo o pedal de sábado por uma corrida. Pra ir me adaptando ao estilo do Desafio, nos sábados vou treinar (quase) sempre a metade da distância que treinarei no domingo. Ex: se no domingo tiver que rodar 20km, no sábado vou rodar 10km, e assim vai…

Quando tudo isso acabar, já entubo direto o início dos treinos pro Ironman Brasil 2015, que acontecerá em maio!!!

E pra finalizar lembrando do outro Dunga, agora sim o do futebol, vai uma frase bem famosa no “mundo dos triatletas”:

“Se fosse fácil o nome seria futebol…”

(Frase dita por um louco que provavelmente tem uma maneira de pensar muito parecida com a minha)

Instagram…

17 de setembro de 2014 2 comentários

Pois é, tem um tempinho que resolvi fazer um perfil do blog no Instagram…

Eu usava meu perfil pessoal pra tudo mas não deu certo… O alcance do Instagram é absurdo e as coisas começaram a se embaralhar. Tinham fotos que nada tinha a ver com o blog e que ficavam lá, meu perfil pessoal é bloqueado, só aceito as pessoas que sei quem são, exatamente por uma questão de privacidade, e várias outras coisas que são opostas à razão de existir desse blog, que é justamente ser uma coisa pública pra quem quiser ler, olhar, comentar, etc…

Então, criei o @atriathlon (http://instagram.com/atriathlon)

Instagram

Dizem que uma imagem vale mais do que mil palavras, então a proposta é exatamente essa: sempre colocar alguma coisa lá, mesmo quando o tempo estiver curto demais para escrever. As imagens que porventura levarem a um assunto legal, logo em seguida vão gerar um post por aqui também com um detalhamento maior…

Este blog jamais será abandonado, o Instagram é um complemento e mais um meio de divulgá-lo…

Aproveita e me segue lá também… Faz propaganda pros(as) amigos(as) e vamos que vamos…

 

OBS: Pra quem me segue nos dois perfis, é possível que acabe vendo algumas coisas duplicadas…

Com ou sem unhas???

15 de setembro de 2014 13 comentários

Essa semana fui desafiado via Instagram pelo grande triatleta Milton do blog “20 semanas” a mostrar os pés (no caso só um deles pq é pra usar um pé com o tênis que se usa pra correr e outro descalço).

pés

Isso tem se tornado uma febre no Instagram nos perfis de esportistas sérios ou de “final de semana”, como eu. Os que tem os pés destruídos sofrem bullying por esse motivo e os que não tem os pés destruídos também sofrem bullying por que não tem os pés destruídos… As piadas não acabam…

É impressionante como tem pé destruído aparecendo por lá… Desde os que faltam algumas unhas, passando pelos que tem as unhas pretas e terminando nos que são cheios de calos. Não estou falando de pés feios ou pés bonitos, estou falando de pés com as “marcas das batalhas” ou sem elas…

Fiquei com uma dúvida: será que tenho todas as unhas, elas são da cor normal e não tenho calos pq pego muito leve nos treinos e provas? Ou seria algo como eu não ter uma tendência a ficar com os pés destruídos? Ou será que isso é causado por tênis apertados/largos? Será que não tem a ver com as meias?

Minha vida inteira li e ouvi as pessoas reclamando que terminaram as provas com enormes bolhas de sangue, sem alguma unha etc e jamais tive problemas desse tipo. Óbvio que às vezes tenho uma bolhinha aqui e outra ali mas normalmente quando a corrida acontece na chuva…

Sempre achei que fosse um pouco de exagero mas agora pude perceber que a coisa é séria!

Será que temos realmente que carregar as “marcas das batalhas” nos nossos pés ou temos como evitar isso?

Se alguém conseguir responder às minhas dúvidas, agradeço bastante… Rs

Ahh, aproveita e bota a foto do pezinho pra jogo também… rs

Ironman 70.3 Foz do Iguaçu – Impressões Gerais

6 de setembro de 2014 4 comentários

Bom, agora que já contei como foi minha prova quero contar o que achei do evento como um todo. Não só a prova mas tudo que envolve a prova.

Ironman Foz

O evento teve início na quinta-feira, com a abertura da expo e início da entrega dos kits. Como só pude ir pra Foz na quinta à noite, esse dia não existiu pra mim.

Ainda na noite de quinta, quando fui montar a bike (o bike check in era na sexta) acabei quebrando, isso mesmo, quebrando um alongador da válvula do meu pneu traseiro. Na gambiarra eu ia conseguir fazer a prova mas se aquele pneu furasse, já era, não tinha como substituir a câmara. Precisava arrumar outro alongador.

Acordei cedo na sexta-feira pra ir buscar o kit logo na primeira hora, tentar arrumar um alongador novo, dar uma olhada na feira (sempre arrumamos uma coisa nova com a marca Ironman pra comprar, impressionante!), voltar pro hotel, terminar de arrumar a bike e as sacolas, levar a bike pro check in e ainda queria tentar assistir ao Congresso Técnico pra pegar os detalhes da prova e do transporte pra largada.

Essa prova teve uma logística diferente. Como a T1 e a T2 não eram no mesmo lugar, no dia da prova não teríamos acesso à sacola da corrida antes da largada (ela estaria na T2 e nós na T1). Pra facilitar a vida dos atletas e acompanhantes, a organização colocou o estacionamento oficial da prova na chegada e proibiu a passagem de carros que não fossem da organização até a área da largada e colocou vários ônibus fazendo o transporte de atletas e acompanhantes da chegada para a largada.

Tinha tudo pra ser uma enorme confusão, porém, tudo correu às mil maravilhas. Todo mundo chegou cedo pegou os ônibus da organização e foi pra largada num clima espetacular que não me lembro de ter visto em outras provas. O Iron de Floripa é uma tensão pré prova fora do normal. Todo mundo tá nervoso com o que pode vir a acontecer… La em Foz não! Todo mundo sorridente e fazendo piadas no ônibus, área de transição com vários sorrisos, atletas confraternizando, tirando foto… Um clima muito leve e legal!!!

 

A natação num lago acaba deixando as pessoas que, como eu, não sabem nadar mais tranquilas. Pelo menos tínhamos a certeza de que não ficaríamos tomando ondas na cabeça pra entrar e sair da água… Rs.

A única reclamação que tenho da natação é que, não sei se pra todo mundo, nunca consigo ver direito a direção que tenho que tomar pra voltar pra areia! Todas as boias do percurso são muito grandes e fáceis de visualizar, mas na hora de sair da água sempre fico perdidinho tentando adivinhar onde é a saída. Concordo que deve ser falta de hábito de natação no mar, mas será que custa tanto colocar uns “wind flags” gigantes na saída da água??? Ou aqueles balões, pra fazer uma sinalização legal???

Óbvio que isso não me faria nadar bem, mas que ia dar uma força pra que eu nadasse menos, ahh, isso daria… (OBS: nadei quase 2.300m ao invés dos 1.900m oficiais da prova. Rs)

 

O ciclismo foi muito duro com subidas e descidas, freadas e retomadas, momentos rápidos e lentos… Tinha tudo e foi bem interessante. Asfalto muito bom na maior parte da prova (antes de entrar na área da usina tinha uns trechos um pouco prejudicados, nada grave, e alguns quebra molas).

A única coisa que posso reclamar é de mim, que eu não esperava uma prova tão dura e treinei errado. Na próxima vez que eu for pra lá farei aquelas subidas como se fossem planos… rs

 

A corrida, além de também ter tido várias subidas, como foi numa única perna de 21km acabou sendo muito solitária. Quando o percurso é em voltas e em mão dupla, você acaba passando por várias pessoas o tempo todo, tanto atletas como acompanhantes. Lá isso não acontecia. Os acompanhantes só te viam passar na T2 e depois só iam te ver novamente na chegada. Infelizmente meu fã clube não foi assistir, logo, pra mim, acabou não fazendo muita diferença. Mas deu pena de ver os acompanhantes fritando no sol sem nenhum tipo de notícias dos atletas que foram ver…

 

Infelizmente a solidão dos corredores é um problema, a meu ver, de solução muito complicada. Usinas hidrelétricas são área de segurança nacional. Não dá pra liberar a entrada e circulação de pessoas por qualquer lugar. Reduzir o percurso diminuiria essa sensação porém deixaríamos de ter uma paisagem espetacular durante a prova… É difícil…

Aliás, o percurso, apesar de muito duro é muito bonito. Pra quem é da área de energia então, como eu, é quase um presente divino poder participar de uma prova dentro de uma hidrelétrica…

 

No geral achei a prova muito boa e gostaria de dar os parabéns à Latin Sports que, dessa vez, fez um evento espetacular.

 

Ainda não sei quando vai dar pra voltar lá mas espero que em 2016 isso seja possível.

 

Vamos que vamos!!!

Mais um luto!!!

16 de agosto de 2014 1 comentário

IMG_0961.JPG

É duro viver num mundo onde coisas assim acontecem…

Um atropelamento de corredores dentro da USP hoje pela manhã tirou a vida de um e deixou alguns feridos.

Link da matéria na Folha

Reza a lenda (informações de Facebook, não sei se é confiável) que após o atropelamento o atropelador ainda ficou rindo da situação!!!

É dureza ou não é?

Diversão chegando…

15 de agosto de 2014 1 comentário

…mas ainda não é o 70.3 de Foz!!!

Esse domingo é dia da 2ª etapa do Estadual de Triathlon e lá estarei eu novamente…

Rio Triathlon

Dessa vez tenho a desculpa perfeita pra minha lerdeza natural: faltam só duas semanas pro 70.3 de Foz e não posso correr riscos desnecessários… 😀

Brincadeiras à parte, vou realmente tentar fazer a prova da melhor maneira possível. Tô encarando como uma excelente oportunidade de fazer um treino de transição com toda a estrutura e estresse de uma prova.

Vai ser excelente!!!

O único porém, é que pra não atrapalhar meus treinos pra Foz, no sábado, amanhã, véspera da prova, preciso fazer meu último longo de bike. E ele tem que ser feito por vários motivos, dentre os quais, o principal é o teste da nova posição do guidon que estou muito esperançoso de que resolva o problema das minhas dores no pescoço.

Muito provavelmente estarei com as pernas bem pesadas no domingo mas quem está na chuva é pra se molhar.

Ahh, e nesse meio tempo tô tentando pedalar sempre que possível. Não deu pra ir nadar? Pedal! Não deu pra ir correr? Pedal! Tudo isso no rolo mesmo que é o que dá!!!

bi1

Vamos que vamos!!!

Ironman 70.3 Foz do Iguaçu – Tá chegando…

7 de agosto de 2014 6 comentários

Desde a maratona que todos os pensamentos mudaram para o 70.3 de Foz, que acontecerá no próximo dia 30.

Triathlon

Como de costume, as coisas não ocorreram conforme o planejado (ok, por total descaso da minha parte) e por isso a prova provavelmente vai ser feita “no conforto”.

O que é, para mim, fazer uma prova no conforto?

É não se preocupar com tempo. É conseguir aproveitar a prova pra me divertir. É cruzar a linha de chegada sorrindo. É lembrar, no dia seguinte, que não houve sofrimento. Etc.

Vamos ao que anda rolando nos treinos:

Natação:

Basicamente, falta aprender a nadar!

Muito tempo sem nadar. Essa semana consegui ir dois dias e ainda espero conseguir ir amanhã, sexta, pra completar 3 x na semana. Será???

Os volumes diários, quando vou, estão entre 2.000m e 2.500m dependendo do tempo que tenho pra ficar na piscina. Normalmente só tenho conseguido curtas “escapadas” e, como sou lento, a distância fica prejudicada.

O lado positivo é que mesmo sem nadar a bastante tempo, tenho conseguido nadar essas distâncias saindo da piscina leve, com aquela sensação de “quero mais”, só não podendo ficar mais um pouco pela falta de tempo.

É pouco, eu sei, mas ainda tenho 3 semanas até a prova e acho que, dentro da minha (falta de) capacidade, vai dar pra fazer uma natação legal.

Ciclismo:

Tá faltando volume!

No último sábado fui novamente, depois de vários sábados com chuva, para a estrada. O começo foi até bom mas depois de uns 40/50km o pescoço começa a incomodar demais e drena todas as minhas energias. É impressionante a força que preciso fazer pra manter a cabeça olhando pra frente. Chega a ficar perigoso…

Fato é que 40/50km é praticamente a metade da etapa do ciclismo, ou seja, providências precisam ser tomadas. E foram!

Acho que depois de muito tempo pedalando tão pouco, o corpo desacostumou e pra evitar o sofrimento, abri mão de um pouco da aerodinâmica. A posição na bike estava muito agressiva e resolvi, em comum acordo com o Genésio (excelente profissional que fez meu Bike Fit), resolvi levantar o guidon em 1 elo.

Sábado é dia de novo teste na estrada e tomara que consiga pedalar sem lembrar que o pescoço existe, como era antigamente…

Ahh, espero também que no ano que vem o pescoço volte a aguentar a posição pq tem o Iron de Floripa de novo…

Corrida:

Aqui o que falta é o de sempre: velocidade!

Talvez essa seja a única etapa da prova que eu esteja, embora não muito assumidamente ainda, preocupado em fazer bem feita.

Pra fazer a prova “no conforto” to bem tranquilo. Acabei de fazer a Maratona do Rio e o volume está muito acima do que seria necessário pro 70.3. Nesse mês de distância entre a maratona e o meio Iron, todo o foco da corrida está na velocidade. Qualquer segundo que eu conseguir ganhar no pace médio, pra mim, é lucro.

Cheguei a falar pra alguns amigos mais próximos que nesse mês ou eu ia ficar mais rápido ou ia me machucar pq só ia ter treino forte. Só tiro, porrada e bomba, como diria a “pensadora”… Óbvio que foi um exagero. Com certeza o resultado seria a lesão e não é isso que eu quero. Mas com certeza os treinos estão mais focados na velocidade, já que o volume está sobrando…

 

Agora é treinar, sem tentar compensar o que não foi treinado, pra se divertir.

 

Espero poder colocar algumas fotos sorridentes aqui depois da prova!!!

 

Abraço e vamo que vamo!!!

Será verdade???

16 de julho de 2014 2 comentários

Faltam 10 dias pra Maratona do Rio e tenho a sensação de que na outra vez que fiz essa prova estava muito mais bem treinado. Mas será verdade???

20140716-222601-80761367.jpg

Resolvi fazer um balanço do que treinei quando fiz essa prova em 2012 e o que treinei para a prova deste ano. Considerei os 5 meses que antecederam a prova e alguns números começaram a surgir.

Realmente esse ano o volume foi cerca de 10% menor do que em 2012. Cerca de 700km em 2012 contra algo próximo a 630km neste ano (já estou contando aí com o treino de 16km do próximo final de semana, último antes da prova). Convenhamos, não me parece ser uma diferença tão absurda…

Em 2012 foram 51 treinos contra 47 este ano dos quais 10 longos em 2012 contra 9 em 2014.

Se for parar pra pensar direitinho, a situação não está tããão ruim assim. Ou não estava tão boa em 2012… Os 3 maiores treinos de 2012 foram de 30km (2x) e 34km (1x). Neste ano fiz 30km (1x), 32km (1x) e 34km (1x), ou seja, fiz até mais esse ano, sem contar que, em 2012, eu ficava acabado depois desses treinos e hoje em dia faço eles pela manhã e, na maior parte das vezes, de tarde já estou novinho.

Reza a lenda dos “esportes de longa distância” que “o corpo tem memória”, ou seja, uma vez “esticadas” as distâncias, seja em treinos ou provas, o corpo se acostuma com aquilo e o sofrimento diminui bastante, mesmo que os treinos não tenham sido lá essas coisas… Essa é uma excelente explicação do por que de eu não estar tendo muitos problemas nos treinos longos e to muito confiante de que isso é verdade… rs

Mas se a diferença nos treinos não foi algo tão gigante assim, pq a impressão de que foi? Simples: matei muitos treinos esse ano o que me causa essa sensação. Quando comparo o programado com o realizado, a coisa é assustadora.

Então, ficou mais confuso ainda??? Calma! Vou tentar explicar: o problema foi que em 2012 também não treinei como deveria. Naquele ano tive Síndrome da Banda Iliotibial durante os treinos e isso me impediu de realizar boa parte da planilha. Cheguei até a cogitar a possibilidade de não participar da prova por causa disso mas no final deu tudo certo.

E pensar que esse ano também cogitei não participar pq treinei pouco hein?!?!?!

Sabe de nada, inocente!!!

Foca nos treinos, Armando…

11 de julho de 2014 5 comentários

Como tenho comentado, está difícil treinar mas não estou no zero.

A ideia original era estar treinando pra Maratona do Rio e pro Ironman 70.3 de Foz do Iguaçu. Isso mesmo, tudo junto e misturado…

A maratona vai acontecer dia 27/07 e o 70.3 de Foz dia 30/08, ou seja, praticamente 1 mês depois.

Nessa altura da “preparação” já era pra eu estar prontinho pra maratona e, ao mesmo tempo, chegando no pico dos treinos pro 70.3, obviamente, com um volume de corrida muito maior do que o necessário, mas…

A situação é que não estou exatamente preparado pra maratona e nem chegando no pico dos treinos pro 70.3.

Treinei pra maratona muito menos do que o programado, logo, é de se esperar que a dose de sofrimento seja muuuuuito maior do que a programada.

Pro 70.3 a meta era melhorar meu último tempo de forma a estabelecer um novo patamar pra mim nesta distância, principalmente na etapa de ciclismo. Não vai dar! Se o tempo melhorar já vai ser um lucro grande, mas pelo menos acho que dá pra fazer no conforto, sem muito sofrimento.

A rotina que considero ideal de treinos, única e exclusivamente pra mim, é de fazer cada modalidade 3 vezes na semana. 3 x natação, 3 x ciclismo e 3 x corrida. E em 1 dessas 3 vezes é um treino longo. Normalmente o que ocorre é 1 treino longo (normalmente lento), 1 treino intervalado (com tiros bem “pancados” mesmo, porém curtos) e um treino de ritmo (um pouco mais rápido do que o pace programado pra prova).

A rotina atual está muito longe disso. Pra dar uma noção da coisa, vou fazer um resumão do que tem ocorrido:

· Natação: tem acontecido 1 vez na semana e em algumas semanas, nem isso.
· Ciclismo: tem acontecido 1 pedal no rolo durante a semana e em alguns finais de semana um pedal na estrada. Já tem 2 semanas que o pedal da estrada não acontece.
· Corrida: tem acontecido 1 longo no final de semana e, no máximo, mais um treino de ritmo durante a semana. Apesar de eu ter quebrado feio em um deles, os longos tem acontecido e é isso que me faz ter confiança de que é possível sim fazer a maratona. Com uma certa dose de sofrimento, mas…

Já que a meta principal é mesmo o 70.3, daqui pra frente vou tentar dar uma intensificada na natação e no ciclismo.

Foca nos treinos, Armando!

20140711-224042-81642780.jpg

Copa, preguiça, motivação e Tour de France…

7 de julho de 2014 8 comentários

Os treinos estão indo aos trancos e barrancos…
Como já falei no post anterior, gosto muito de Copa do Mundo e acabo deixando os treinos em segundo plano.
Teve uma semana que não corri nenhuma vez e duas semanas que fiquei completamente afastado da piscina…

Mas será que era só por causa da Copa??? Claro que não! Chega uma hora que é difícil manter a motivação. É muito tempo treinando. Tem que ter uma disciplina muito grande pra dormir cedo, acordar cedo, comer certinho, etc, etc, etc. Uma hora o saco enche!

O engraçado é que você acaba percebendo que outras pessoas tem sensação parecida. Outro dia li no blog Correr para Crer um post que fala mais ou menos sobre isso.

Eu nado, pedalo e corro porque eu gosto de nadar, pedalar e correr e ponto final! Mas é muito diferente quando vc acaba fazendo isso na base da obrigação. Seguindo uma planilha à risca pra poder cumprir os desafios que você mesmo se impôs… Você mesmo se impôs…

Que situação! Você vai lá, paga uma inscrição de prova cara (sim, eu acho as inscrições muito caras), se planeja, compra passagem, reserva hotel e tudo mais… Mas na hora de treinar parece que aquilo é um martírio!!!

Não pode ser assim! Aquilo é pra ser prazeroso! E é, até certo ponto… O problema está no exagero, eu acho… rs

DisneyRun02Mas os treinos já voltaram a um ritmo razoável e já me considero apto a participar da Maratona do Rio em 27 de julho. É isso mesmo, eu estava cogitando a possibilidade de não ir pra largada simplesmente porque não estava treinando…

Vai dar pra fazer a Maratona no final de julho e o 70.3 de Foz do Iguaçu no final de agosto! Ok, não vai ser exatamente da maneira como eu planejei, mas…

Sabe o pior disso tudo? Eu tentei colocar a culpa da minha ausência nos treinos na Copa! Fala sério. A culpa é só minha!

Opa, peraí, sábado começou o Tour de France!!! Parem os treinos!!! Preciso assistir ao Tour!!! Hehehe, só brincadeirinha…

Vamos que vamos!

%d blogueiros gostam disto: