Inicial > Provas > Ironman Brasil 2017 – A Prova

Ironman Brasil 2017 – A Prova

Que dia!!! Se eu tivesse que resumir meu 28 de maio de 2017 em duas palavras, seriam essas.

Finalmente chegou a principal prova do ano. Obviamente farei outras provas até o final do ano mas, sem sombra de dúvidas, essa era a principal de 2017. Provavelmente (diria até que certamente) esse será o único Ironman “completo” de 2017, mas a gente nunca sabe o que pode vir por aí… Vai que…

Pré prova

Cheguei em Floripa com bastante antecedência, no início da tarde de quarta-feira antes da prova. Isso é tempo suficiente para superar qualquer contratempo que possa ter ocorrido na viagem: extravio de malas, problemas na bike, sei lá… Só sei que um Ironman requer muita dedicação pra que tudo seja colocado a perder de bobeira.
Além disso, chegar na quarta-feira me permitiria finalmente fazer o treino de natação com as boias do percurso que tradicionalmente ocorre na quinta pela manhã. No meu primeiro Iron já cheguei depois desse treino e no segundo estava meio adoentado e preferi não piorar a situação.
Nesse ano, nada de contratempos. Na quarta-feira mesmo peguei meu kit e montei a bike para me certificar de que estava tudo correto.
Quinta-feira fui de manhã cedo para o local do treino e realmente é neste dia que a festa começa. Boa parte dos atletas já está em Floripa para a prova e a energia da galera é contagiante. A energia, a tensão, as dúvidas… Tudo é contagiante… Rs
As boias ficam no percurso de 10 às 12h e acabei começando o treino bem tarde batendo papo e esperando o pessoal da equipe para iniciarmos juntos. Só iniciar mesmo pq não consigo acompanhar ninguém…
Nesse dia estava ventando um pouco e o mar ficou bem mexido e com uma correnteza considerável…
Achei bem complicado pra chegar na primeira boia e acabou que quando cheguei a equipe que estava recolhendo as boias já estava no local. Pensei em pegar carona no jet ski pra voltar mas acabou que o retorno estava bem mais tranquilo do que a ida… Treino de natação feito!
A verdade é que a condição do mar não me deixou muito tranquilo para a prova. Daquele jeito, o desgaste na natação seria muito maior do que o esperado, mas vida que segue…
Na parte da tarde fiz um treino de ciclismo e pude verificar que estava realmente tudo ok com a bike. Só o vento que tinha aumentado bastante e me sacudia muito com umas rajadas laterais. Isso por 180km tb faz com que a prova seja meio tensa…
Sexta-feira e logo cedo fui para a “Cidade Ironman” assistir ao simpósio técnico. Depois disso meu único compromisso era um treino de corrida curtinho em ritmo de prova…

Bike check-in

O compromisso do sábado é o bike check-in.
Cada um no seu horário, temos que deixar lá nossa bike e as sacolas de ciclismo e corrida com os materiais que vamos utilizar na prova.
Meu horário era de 15 às 16h e justamente por volta das 15h a chuva resolveu dar uma trégua. Minhas coisas nem estavam totalmente organizadas mas fui alertado pela Lívia que a chuva tinha parado e saímos em disparada pro check-in… Mal acabei de entregar a bike e a chuva voltou com tudo. Uma mistura de sorte com o alerta da Lívia me salvaram de ficar em pé na chuva durante um bom tempo…
4_m-100764286-DIGITAL_HIGHRES-1897_002491-7936798Ahh, é no bike check-in que pegamos o nosso chip da prova.
Depois disso foi fazer uma social na Expo com os amigos e voltar pro hotel pra descansar…

Race day

Área de Transição

Acordei cedo, tomei café e fui com bastante antecedência pra área de transição.
Neste momento temos acesso à bike e às sacolas de ciclismo e corrida para organizar alguma coisa que tenha ficado faltando. Além disso entregamos aqui nossas sacolas de “Special Needs” de ciclismo e corrida.
Como já tinha deixado tudo praticamente pronto na véspera, apesar da correria pra não pegar chuva, nessa manhã a única coisa que precisei fazer foi checar se os pneus da bike estavam calibrados, ajeitar a comida, prender as sapatilhas na magrela e rezar. Estava tudo pronto só faltava largar…

Swim

Pra quem já fez ou assistiu a prova em Floripa sabe como é aquela caminhada da transição até a largada da natação… 2.500 atletas caminhando em ritmo lento, com poucas palavras e buscando um pouco de concentração… É neste momento que eu tento agradecer a Deus por estar ali e pedir pra que, no final do dia, eu e os outros 2.499 atletas estejamos tão saudáveis quanto no início.
Diferente da quinta, o mar estava liso, nada de ondas, nada de correnteza, um espetáculo. Só de olhar, já me deu uma tranquilizada sensacional…
Esperei pacientemente minha largada (mentira, queria largar logo e estava com paciência zero).
Às 7h10min tocou a buzina da minha largada. Entrei com calma no mar pra tentar evitar aquela trocação de socos mas foi inevitável… Pela primeira vez num Ironman eu nadei o tempo todo me estapeando com alguém. E olha que nos dois anteriores ainda não tinha largada em onda, era todo mundo largando junto…
Uma coisa que este ano foi diferente pra 2015 (parece que 2016 já teve também) foi que colocaram algumas boias intermediárias e isso evita que se perca muito o rumo, principalmente pra quem é um mestre da navegação errada como eu.
Nadei a primeira parte e quando dei a volta na areia percebi que estava com um tempo legal (ok, os caras que sabem nadar terminaram a natação mais rápido que isso, mas eu não sei) e isso foi um ponto positivo pq a segunda parte é menor que a primeira. Esse foi o primeiro indício de que eu teria um dia legal (Não tô falando dos tempos pq no fundo acho que isso é o que menos importa pra um atleta amador do meu nível, o importante é fazer a prova se divertindo e competindo comigo mesmo).
Entrei na água novamente e terminei a segunda parte tb num ritmo que considero bem legal pra mim.
7_m-100764286-DIGITAL_HIGHRES-1897_008747-7936801O mais incrível de tudo foi a distância que nadei: 3.823m. INCRÍVEL!

Resultado: Fiquei muito feliz com a natação!

T1

Saí da natação certo de que teria um bom dia. Corri por todo o percurso da praia até a tenda de troca, fazendo uma transição que nunca tinha imaginado fazer em Floripa. Correndo o tempo todo.
Ainda dá pra melhorar, mas tô feliz pra caramba tb.

Bike

Acho que a bike era minha maior incógnita pq a minha natação sempre é ruim (essa não foi tanto, mas as condições ajudaram) e eu estava bastante confiante pra correr, mas pra pedalar, apesar de ter consciência de que meu pedal evoluiu bastante, eu achava que estava com pouco volume. A opção era “pagar pra ver”…
Nas provas anteriores que fiz aqui pude perceber que a primeira volta sempre tem menos vento que a segunda. Acabei fazendo minha estratégia pensando nisso.
A ideia era fazer a primeira volta forte o suficiente pra pegar o menor tempo de vento possível, mas não tão forte a ponto de quebrar na segunda volta e ver esse tempo indo pelo ralo. Acho que foi uma estratégia acertada, apesar de ter sido um dia com pouquíssimo vento na Ilha da Magia.
Comecei bem, me alimentei e hidratei quase da maneira que planejei e fiz a primeira volta muito bem.
Aspas para o comentário sobre o retorno. Cara, é sensacional aquele retorno dos 90km. Temos um trecho de uns 5km com muita gente torcendo. Nessa prova em especial, que fiz com o uniforme da BR Esportes, minha assessoria, os parentes, amigos e conhecidos de qq atleta da assessoria gritavam para todos com aquele uniforme. Éramos 68 atletas da BR na prova e a torcida era imensa. Passei esses +/- 5km fazendo toda a minha força e, por consequência, ganhando várias posições (ok, eu as devolveria logo ali na frente, mas…). Enfim, ouvir um “Bora BR” dá um ânimo que eu jamais tinha experimentado antes.
12_m-100764286-DIGITAL_HIGHRES-1897_022451-7936806Na segunda volta, fui um pouco mais cauteloso. Estava chovendo o dia inteiro, portanto, o chão estava escorregadio, com algumas poças e vários buracos “encobertos” pela água. Isso fez o pedal, pelo menos no meu caso, ser um pouco mais tenso do que de costume.
Faltando uns 30km o cansaço bateu com força. Nessa hora comecei a duvidar se conseguiria correr…
Não era hora pra pensamentos negativos e tentei voltar o foco pro pedal.
Terminei num tempo muito perto do que esperava. Estratégia cumprida com excelência.

Resultado: fiquei muito feliz com meu pedal!

T2

Com a chuva caindo, fiz uma T2 um pouco mais lenta do que poderia, mas foi por opção.
Entreguei a bike e corri pra tenda. Por mais incrível que isso possa parecer, as pernas estavam leves.
A demora ocorreu pq optei por encharcar meu pé de vaselina pra evitar as bolhas. O dia inteiro com o pé molhado e sair pra correr 42km é bolha na certa…
Mesmo demorando um pouco mais, fiquei satisfeito com a T2 tb…

Run

Aqui veio a grande, enorme, mega cereja do bolo.

Ok, eu me sentia confiante pra correr antes da prova mas quando comecei, parecia que eu estava ainda mais confiante na minha corrida.
Coloquei um ritmo que certamente não conseguiria sustentar por 42km mas sei lá por que, decidi que iria nele até onde conseguisse.
Em cada ciclo de treinos pra uma prova grande (meia, maratona, 70.3, Ironman etc) a gente tem muitos aprendizados. Por mais experiente que sejamos, a gente sempre aprende alguma coisa. Nesse ciclo a grande lição foi a que vale a pena arriscar. Sempre tive muito medo de forçar demais e ficar pelo caminho. Nesse eu resolvi que eu ia correr até quebrar. E se isso acontecesse, dane-se, mesmo que eu tivesse que caminhar o resto da prova. Eu fui! E fui até o final.

Se você pensa que pode ou sonha que pode, comece. Ousadia tem genialidade, poder e mágica. Ouse fazer e o poder lhe será dado.
Goethe

Óbvio que lá pelo km 30 deu uma desanimada, mas foi a hora que começou a escurecer e acho que todo mundo desanima um pouco essa hora. Foi uma coisa bem passageira, logo em seguida retornei pra um ritmo legal e ainda tive fôlego pra “sprintar” no final…

MDP17IMB29376_q

Lívia e Marcos correndo comigo os últimos metros

Não tenho palavras pra descrever o quão feliz eu fiquei. No final eu já estava tão emocionado que foi inevitável o choro. Sim, eu sou chorão e quando a gente tem um dia perfeito, não dá pra resistir…

49_m-100764286-DIGITAL_HIGHRES-1897_090301-7936843

Muito obrigado aos amigos que torceram por mim, em especial ao Damião, que deve ter ficado rouco de tanto me gritar e torcer na prova, aos que me ajudaram na preparação e à Lívia (nossa, essa eu não tenho palavras pra agradecer), que além de me incentivar pra caramba, passou o dia todo na chuva acompanhando a prova. Parece besteira mas eu sei o quanto é cansativo acompanhar uma prova dessas in loco, ainda mais quando a nossa vontade mesmo é estar fazendo…

Muito obrigado, baixinha!!!

Vamos pra próxima!!!

  1. Deysi
    14 de junho de 2017 às 7:54

    Grande, Armando! Obrigada pelo relato detalhado!!! Isso é ouro pra mim!! Parabéns pela prova e fico muito feliz em ver que terminaste bem e animado!!! Tu e a Lívia são incríveis!!!! Essa foto dela e do teu amigo Marcos correndo contigo está emocionante!!!!! Parabéns!!!!

    Curtido por 1 pessoa

  1. 21 de junho de 2017 às 11:24
  2. 22 de agosto de 2017 às 11:35

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: