Arquivo

Archive for março \25\UTC 2012

Retomando o ritmo das corridas

25 de março de 2012 Deixe um comentário

Depois de um mês praticamente inteiro de provas, o treinamento fica comprometido…

Domingo que vem, dia 01/04/2012, acontecerá a Travessia dos Fortes, aqui em Copacabana. Vai ser mais um final de semana quase todo comprometido. Mais uma vez uma prova atravessa o caminho dos treinos…

O excesso de provas é altamente prejudicial ao treinamento. Isto é fato, todo mundo escreve sobre isso e agora estou sentindo na pele… O problema é que muitas provas que seriam fundamentais pro meu “ganho de confiança” visando o Ironman 2013 aconteceram na mesma época: Rei dos Mares, Triathlon Olímpico e Travessia dos Fortes. Fica complicado não participar dessas provas.

Vou tentando levar essas provas sem interromper o treinamento pra Maratona do Rio, mas é complicado…

Pra se ter uma noção, depois de 2 semanas é que consegui fazer um longão… Parti pelo caminho que normalmente faço de bike, pela Tijuca, subindo até o Alto da Boa Vista.

Estou procurando fazer os longos com bastante subida pelo caminho, ano passado sofri bastante na Corrida da Ponte. Os primeiros 7km da prova são de subida pura, contínua e sem nenhuma sombra. Foi a prova que mais sofri na minha vida e não pretendo passar por isso novamente. O local onde tenho procurado fazer meus treinos é também uma subida. Para esse meu treino de ontem, foram 20km, 10km subindo e 10km descendo. A diferença é que a subida é bem mais íngreme mas, pra compensar, o local é bem arborizado.

Pra ilustrar, segue o percurso e a altimetria:

20km - Percurso

20km - Altimetria

 

A evolução desse treinamento é a ida direto até a Lagoa Rodrigo de Freitas via Alto da Boa Vista e Vista Chinesa. Provavelmente vai acontecer em 2 semanas.

Vamos que vamos…

Anúncios

Estadual de Triathlon Olímpico – 1ª etapa de 2012

19 de março de 2012 1 comentário

Aleluia… Chegou o dia do 1° Triathlon Olímpico.

O sábado foi inteiro de descanso e aproveitei pra ir no simpósio na hora de buscar o kit.

Número de peito, touca, número pra bike… Tudo na mão e, com a largada às 07h da matina, aproveitei pra deixar a bike no carro na noite de sábado.

Domingo, toca o despertador, tomo um banho e o café da manhã. Às 5h30min saí de casa rumo ao Aterro do Flamengo. Desta vez, como cheguei cedo, consegui estacionar meu carro no posto BR de frente pra área de transição.

6h30min e já estava com a bike e os acessórios do pedal e da corrida todos prontos na área de transição.

Área de transição - Minha bike é disparada a pior... rsrsrs

Logo depois era uma confusão tremenda na transição… Todo mundo “correndo” pra deixar tudo pronto a tempo da largada.

Área de transição lotada...

Parti pra areia pra esperar a largada. Nesta etapa, tivemos a participação especial do Luciano Huck na categoria Short. Era um tal de gente querendo tirar foto do cara e com o cara que, sinceramente, não sei como ele aguenta.

Com um pouco de atraso foi dada a largada do Short e depois que o último colocado cruzou a penúltima boia, largada do Olímpico. Coração a mil e lá vai a narrativa da prova nas 3 modalidades:

Natação – Dessa vez, optei por não esperar muito a confusão da largada acabar e com 30 segundos já estava dentro d’água dando minhas braçadas. Eram duas voltas no percurso de 750m e eu sabia que a natação seria decisiva pra minha meta de buscar as 2h45min no total. Parti com disposição pra tentar fechar em 30min. No final da primeira volta, olhei para o relógio e estava com 14min e 30s , perfeito pras minhas pretensões mas não consegui manter o ritmo e saí da água com 31min. Corre até a área de transição, tira a roupa de borracha, coloca capacete, seca o pé, coloca a meia e sai correndo pra iniciar o pedal. Até aí o cronômetro já marcava 37min.

Pedal – Montei na bike e lembrei que a meta aqui era manter a velocidade acima de 30km/h. Com 1km de prova percebi uma vibração estranha e percebi que o suporte de caramanhola ia cair. Agora vem a parte do “como pude ser tão idiota?”. Sem parar, tirei a bomba, que fica presa no mesmo suporte, tirei a garrafa pra colocar no outro suporte e aproveitei o clima pra pegar um carboidrato gel. Nessa hora, completamente distraído, acertei uma das grades que separam a pista para os carros… Foi uma pancada tão feia que não sei como nada mais grave aconteceu. Caí, derrubei a grade e perdi meu gel… Levantei e, como nenhuma parte do meu corpo estava faltando, soltei a bike da grade (sim, ficaram enroscadas) arrumei o guidon na posição correta e voltei a pedalar. Nessa altura, o pedal já estava completamente comprometido. Vários arranhões no corpo, o dedo médio da mão esquerda doendo demais, que dificultava a troca das coroas e a roda da frente toda empenada arrastando no freio (isso só pude confirmar depois do final da prova, mas pela força que tinha que fazer, tive certeza de que algo estava errado). Esse foi meu pedal durante os +/- 38kms que faltavam depois do acidente. Com tudo isso, e fazendo muuito mais força do que de costume, fechei o pedal com 1h24min. Média de 28,5km/h.

Corrida – Larguei a bike e calcei os tênis pra correr. Minha meta era fazer 55min mas eu sabia que podia ser melhor que isso. Fui tentar, literalmente, correr atrás do tempo perdido. Impressionante como as pernas não obedeciam… Forcei realmente muito na bike e na hora de correr, paguei o preço. Duas voltas de 5km cada e tudo o que consegui foi um tempo de 57min. Pace de 5:42min/km.

Resumão da história: Fiz um tempo de 2h58min quando minha pretensão era beirar as 2h45min. Muito ruim, mas diante dos acontecimentos, foi lucro.

Pelo menos consegui não ser o último da categoria. Rsrsrs

Colocação geral: 170/184

Colocação na categoria M3034: 48/51

Foi ou não foi lucro???

Tô feliz!!!

Rei do Mar – 1ª etapa 2012

17 de março de 2012 1 comentário

Uma semana depois é que tive tempo de contar como foram os 3.500m de natação do Leblon ao Arpoador.

Obviamente, com o passar do tempo, a narrativa dos fatos vai mudando… Esse é um dos fatores pelo qual gosto de postar o resultado da prova assim que ela termina mas, nem sempre é possível. Aliás, quase nunca é possível.

A ansiedade era absurda no dia da prova. Acho que piorou pelo fato de ser uma prova com largada de tarde… Quando é de manhã, não tem muito o que pensar. É acordar, tomar um café da manhã e partir pra prova. Não dá tempo de ficar pensando… Com a largada às 16h, acordei lá pelas 9h e até a hora da largada fiquei pensando nela. Faz parte da festa, mas prefiro as provas com largada pela manhã…

Cheguei no Leblon por volta das 15h e só de me aproximar da água já dava pra sentir que estava gelada. Mas uma vez agradeci a Deus por ter me feito decidir pela compra da roupa de borracha (rsrsrs). Dava pra perceber também que a correnteza seria o tempo todo na direção contrária à da prova… Dei uma volta pela areia e conversei com uns conhecidos pra tirar a tensão pré prova (TPP). Vesti minha roupa, tomei meu carboidrato e fui deixar a mochila no guarda volumes.

Às 15h50min estava entrando na área de largada e tudo corria às mil maravilhas até que fui fazer um aquecimento e percebi que tinha esquecido de tirar o cordão… Erro primário que eu sabia que ia me custar alguma coisa… Paciência, agora não dava mais pra fazer nada.

Dada a largada e, dessa vez foi diferente das outras, praticamente não tive aquela taquicardia inicial que me impede de coordenar a respiração com as braçadas… Desde o início as braçadas estavam em sincronia com a respiração e o nado fluiu muito bem…

Largada da categoria Chalenge (3.500m) do Rei do Mar - 1ª etapa - 2012

Logo no início da prova pude perceber que, além da correnteza, a ondulação também estava bem forte. Cada vez que tentava ver a próxima boia, se estivesse no topo da onda via até a Pedra do Arpoador, se estivesse na parte baixa, não via absolutamente nada além da água.

Um pouco mais de prova e comecei a perceber que o preço pago por ter esquecido o cordão seria um pouco mais alto do que imaginei. Já sentia o pescoço ardendo pelos arranhões provocados pelo conjunto cordão + roupa de borracha. Vida que segue, não vai ser isso que vai me fazer desistir  – pensei.

Como nada é tão ruim que não possa ficar pior,  comecei a ter problemas pra juntar os dedos da mão direita pra dar as braçadas. O fato de ter que nadar com os dedos abertos faz a eficiência do nado ir toda pelo ralo. Cheguei a demorar pra entender o que estava acontecendo e então percebi que era o frio.

Nessa altura o final da prova já estava próximo e continuei nadando torto até a chegada.

Pretendia terminar em 1h30min e terminei em 1h46min, porém, dadas as condições do mar, acho que fui muito bem.

A propósito, o fato de nadar torto, forçando demais o braço esquerdo me fez ficar sem nadar essa semana inteira por causa da dor no ombro que fiquei. Alguns dias de anti inflamatório e acho que estou novo.

Até a próxima…

Circuito das Estações Adidas – Outono

Apesar de ser uma prova para muitos, pra mim, é um grande e animado treino onde tenho que fazer ritmo de prova e assim, consigo mensurar o quanto está evoluindo o treinamento.

Conforme citado aqui anteriormente, minha programação de sábado era fazer um longo de 18km e de domingo pedalar 50km forte, porém, com a “prova” no domingo, redistribuí meus treinos e aproveitei o domingo pra fazer um bike/run.

No sábado girei 10km pra não exagerar muito e travar as pernas pro dia seguinte, até pq, apesar de o tempo estar mudando, estava abafado demais e foi realmente sofrido correr 10km às 9h da manhã. Pois é, como eram só 10km relaxei e achei que podia dormir um pouco mais… Grande erro!

No domingo a ideia era pedalar 30km antes da corrida mas com um temporal absurdo durante a madrugada, achei que o pedal ia “subir no telhado”. Às 6h15min, horário que tinha programado para sair de casa, a chuva parou. Assim, peguei a bike e parti pro aterro, já pedalando a 30km/h. Chegando lá, deixei minha mochila com o pessoal da Speed Assessoria Esportiva e parti pra mais 20km de pedal mantendo o ritmo de 30km/h. Acabei fechando os 30km que pretendia fazer em 1h03min, com média muito próxima de 30km/h.

O problema é que acabei muito antes da hora da corrida começar e então dei uma esfriada enquanto pegava chip, número de peito e trocava a roupa do pedal pela camiseta da empresa. Na hora da corrida, bateu um cansaço que nem sei descrever…

Quando deu a largada parece que o cansaço nunca havia existido. Parti num ritmo de 05:15 min/km (e olha que minha meta era fazer em 55min, ou seja, 05:30 min/km), segundo km e 05:10, terceiro e 05:05… Me empolguei e fiz do 4° ao 8° pra baixo de 05:00 mas não consegui manter o ritmo e voltei pros 05:10 min/km.

Completei a prova em 50min48seg. Beeeeem mais rápido do que o planejado e imaginado.

Próximas semanas: Rei do Mar e Triathlon Olímpico.

Depois disso treinos e treinos…

%d blogueiros gostam disto: